ubuntu

AWS EC2 – Mudei do Ubuntu para o CentOS

“Aviso este artigo não usa língua culta. Acabei de sair da Deciclopédia e você imagina né?”

Por muito tempo usei o Ubuntu em servidores virtuais. Em casa a mais de 10 anos uso o ArchLinux. O Ubuntu para servidores não é ruim e é muito fácil a configuração e diversos scripts de configuração aceleram o setup e o repositório é completo.

Porém um dia desses ao instalar o Drupal deu um ‘PAU’ no mysql que corrompeu o banco de dados e fiquei a ver navios. Como era uma instalação tentei reinstalar tudo. Bom. Eu nunca gostei do apt-get afinal estou acostumado ao modo Arch de fazer as coisas. Fui então tentar reinstalar tudo novamente e a coisa ficou feia. Aquele dpkg não desinstalava as ‘coisas’ por completo então quando eu fui tentar instalar novamente dava conflitos … arhhh!

Até que descobri o CentoOS. Que maravilha! Aquele Yum é rapidinho! Nada de ficar atualizando man pages. Só puxava o necessário. Downloads rápidos. Descompactação veloz! Adorei.

Mas tenho algumas ressalvas quanto a ele:

  • Não consegui instalar o Drupal em uma instância t2.nano. Sempre que rodava o install.php o mysql morria por falta de memória???? Isso nunca me aconteceu no Ubuntu. Tentei criar um swapfile mas não dava certo. O Swapon dizia que o parametro era errado. Nunca vi isso.
  • As configurações não são interativas. não existe a2enmod, a2ensite. É tudo manual. Mas não tenho problemas com isto já que uso o Arch. Mas para alguns pode ser.
  • O repositório é conservador. O PHP disponível no repositório oficial não é suportado pelo Drupal. Tem que adicionar outros repositórios. Isso assusta no começo.
  • O SELinux é loucura!!!! Erros estranhos acontecem com ele. Como tentar gravar em um local com todas as permissões corretas mas o SELinux não deixa. Então preste atenção a isto. O SELinux é muito útil, mas uma fonte de erros estranhos se não for compreendido.

Pessoalmente recomendo o CentOS. E de fato ele é muito usado em servidores.

 

 

Arch Linux – Como cheguei nele

Conheço o linux desde o velho Conectiva e a época quando as revistas vinham com os CDs de linux. De lá pra cá muitas distribuições passaram pelos meus computadores. Conectiva, Knoppix, Kurumin, Fedora, Mandrake, Mandriva e outras diversas. Finalmente com o Ubuntu e o trágico Unity sai a procura de uma distro boa e rápida. O Mint até passou por aqui, mas herda os mesmos problemas do Ubuntu no quesito estabilidade e velocidade. O Debian durou bastante até eu cair na armadilha do GCC muito antigo.

Lembrei do Slax que é baseado no Slackware: sempre me surpreendeu pela rapidez e polidez do desktop (estou falando da versão com o KDE 3).  Mas não queria instalar o Slackware porque as atualizações demoram muito para ocorrerem. Foi ai que descobri o Arch Linux.

Uma distribuição entre aspas baseada no Slackware com compilação i686. Não deixa a desejar pela sua rapidez e consumo de memória. É a distribuição que mais dura até agora no computador. O Arch é um curso de Linux prático! Que aprender Linux? Instale o ArchLinux.